2018 em Revisão

Quando todas as pessoas deverão estar a escrever as suas resoluções de Ano Novo, eu gosto de me sentar, acompanhado de um bom cognac e pensar sobre o ano que acabou de terminar.

Tu devias viver mais no momento” , eu sei que é isso que o Mindfulness prega, e acreditem quando vos digo que já aprendi essa lição mas, já voltarei a esse tema.

2018 arrancou com algumas resoluções que, desafiantes como eram, poderiam me levar a um novo percurso, ou a uma espiral descendente. Na realidade eu iniciei esse estado de espírito antes, quando decidi que já era altura de aceitar algumas coisas que estavam a ocorrer na minha vida e a fazer as pazes com alguns sentimentos e pensamentos. Claro, o facto de estar na aproximação dos 40 adicionou algum peso ao meu “problema”. 

Mas um decisão profissional tinha de ser tomada. Já seria tempo de dar um salto de fé para uma posição a tempo-inteiro enquanto manager ou deveria me manter a percorrer o percurso como developer? Felizmente tinha tempo para, com total consciência, tomar uma decisão…e assim começou 2018.

O primeiro trimestre passou, e os meus sentimentos para com os temas da liderança por serviço (“servant leadership“) e o coaching foram ficando mais fortes. Dei por mim sem a mesma quantidade de alegria e preenchimento, a programar, em alternativa à alegria que encontro quando consigo auxiliar algum colega a ultrapassar algum problema profissional ou pessoal. Dei por mim sem a mesma quantidade de alegria e preenchimento, a programar, em alternativa ao que teria de fazer para ajudar a equipa e a empresa a melhorar. Mas a empresa tinha ideias contrárias e não permitiu que a equipa percorre-se o caminho que era necessário na altura.

Era sem dúvida, tempo de mudar.

Durante o segundo trimestre, encontrei-me numa posição em que múltiplas empresas nacionais e internacionais me chamaram para entrevistas e para prestar provas. Foi um período que me permitiu trocar inúmeras ideias e crenças com diversos Engineering Managers, Arquitectos de Software, CTOs, CIOs e CEOs. Estou imensamente grato por todos esses momentos, que me permitiram aprender em cada um deles. Recordo esses dois meses como altamente stressantes, e no final desse período comecei a ter enxaquecas regulares. Não conseguia dormir, a minha cabeça estava constantemente em malabarismo entre o que me era pedido no trabalho e o que me era pedido nas entrevistas. Numa sexta-feira, fui trabalhar de manhã, tirei a tarde para participar em mais uma entrevista com pessoal de Portugal e dos Estados Unidos. A entrevista correu bem mas no final comecei a sentir o meu cérebro a desligar. Quando cheguei a casa, passei três dias deitado, não conseguia encarar qualquer luz ou tolerar qualquer barulho. Felizmente a minha esposa ajudou-me imenso a ultrapassar essa enxaqueca e até o meu filho de três anos foi muito gentil comigo. 

Estava farto de entrevistas (uma empresa chegou-me a entrevistar 8 vezes).

Era altura de tomar uma decisão. Recordo-me de dizer à minha esposa, numa quarta-feira, “já chega, vou aceitar a oferta da empresa X mesmo que não seja o que procuro a 100%, mas é um início”. Ainda tinha mais um desafio técnico para realizar na segunda-feira seguinte, mas sentia-me esgotado. Na quinta-feira de manhã já me encontrava a escrever o email a aceitar a oferta da empresa X quando subitamente toca o meu telemóvel.

“Hey Ricardo, nós, na RUPEAL, temos a posição para Head of Engineering em aberto. Tens interesse? Se sim, o nosso CEO quer te conhecer já amanhã de manhã”.

Wow, eu já tinha ouvido algumas coisas fantásticas sobre a cultura da RUPEAL. Assim, decidi adiar a minha decisão por mais um par de dias, e ir ouvir e ver pelos meus próprios olhos. Mais uma entrevista, mais uma oferta na mesa…mas esta com um ultimato.

“Tens até amanhã para decidir!”

Eu gosto mesmo quando as pessoas vão directas ao assunto, sem subterfúgios e verdadeiros na sua palavra.

Acredito fortemente que deveremos correr atrás dos nossos sonhos e crenças. Por vezes são difíceis de alcançar mas também acredito que o Universo nos apresenta com as possibilidades nos momentos certos…

Passaram seis meses desde que tomei a decisão de me juntar à RUPEAL, e parece que foi ontem.

Se te questionas, tomei a decisão de aprender mais sobre liderança, gestão e pessoas. Tomei a decisão de que era altura para aprender mais sobre mim e de nutrir o meu desenvolvimento pessoal. Descobri que, de facto, o meu caminho é ajudar os outros a encontrar a sua melhor versão. 

Também aprendi que algo em mim mudou. Parei de ter os conhecidos domingos stressantes porque já era segunda-feira, e passei a, mais vezes do que costumava, a perder a noção dos dias da semana. As coisas agora parecem tão naturais.

Também aprendi a viver mais o momento, graças a um curso de “Mindfulness Based Stress Reduction” que se realizou aqui na RUPEAL. 

Também aprendi o quanto a meditação me ajudou a ser um melhor ouvinte, e a perguntar melhores questões.

Em relação “aos outros”, acredito mesmo que consegui tocar a vida de alguns colegas, tanto na minha anterior equipa, como na actual.

Em resumo?

Estou grato por todas as pessoas que se cruzaram no meu caminho e de todos os acontecimentos, bons e maus, que ocorreram durante o ano de 2018.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *